LEIA TAMBÉM:
  • Font size:
  • Decrease
  • Reset
  • Increase

O Artista

Dirigida por Michel Hazanavicius, esta produção tem o efeito de uma declaração de amor aos tempos de ouro do cinema de Hollywood, quando os filmes eram mudos, uma orquestra executava ao vivo a trilha sonora durante a sessão e o público se paramentava para ir às salas de exibição.

 

Nos dias de hoje, de forte apelo aos efeitos especiais e o fetiche da transmissão em terceira dimensão, um longa sem diálogos, rodado em preto e branco e que parece ter sido produzido nos anos 1920 soa como provocação. No entanto, vem cativando plateias pelo mundo todo e colecionado diversos prêmios, como o Globo de Ouro de melhor filme e o de melhor ator em Cannes para Jean Dujardin e o Oscar de melhor filme, combina em sua narrativa porções de comédia, romance e ação, menu apresentado com ingredientes de pura nostalgia.

Envolvente, a trama põe em destaque a história do carismático ator George Valentin (Dujardin), estrela do cinema mudo na segunda década do século passado. De sorriso largo, faz o tipo que arranca suspiros das fãs, entre elas, a aspirante a atriz Peppy Miller (Bérénice Bejo) que, por intermédio dele, consegue galgar espaços em Hollywood. As coisas mudam, porém, com o advento do cinema falado e a decisão dos grandes estúdios de enveredar pelo novo caminho.

Orgulhoso e debochado, Valentin, cujo nome não por acaso remete a Rodolfo Valentino, uma dos maiores astros da época, refuta a ideia de se adaptar a um formato que julga absurdo — a revolução tecnológica, por sinal, destruiu a carreira de muitos atores e diretores naqueles tempos e mesmo Chaplin demorou bastante para aderir à novidade.

Valentin parte para produzir e protagonizar um filme mudo, que acaba por se revelar um fracasso de bilheteria — repare na ironia da cena em que o ator é engolido por areia movediça. Para piorar a situação, o crash da bolsa de valores de 1929 tumultua a ordem e sua mulher o abandona.

Com popularidade decrescente, empobrecido e cada vez mais amargurado, tendo como fiéis companheiros apenas o cachorrinho e o motorista, o ex-ídolo acompanha a ascensão vertiginosa de Peppy na profissão. Em uma das melhores sequências, ele sonha (ou tem pesadelo?) que tudo à sua volta produz algum tipo de som, até o toque de uma pena no chão, enquanto sua voz permanece silenciada.

O que o filme reflete é justamente essa reviravolta na linguagem cinematográfica que se deu entre 1927 e 1932 e suas consequências. Hazanavicius entrega uma obra de domínio técnico impressionante e com história suficientemente terna e singela para seduzir o público.

Apesar de retratar Hollywood de forma realista e registrar um evento fundamental de sua história, trata-se de uma produção franco-belga que reúne atores de várias nacionalidades — Dujardin é francês, Bérénice Bejo argentina, James Cromwewll e John Goodman norte-americanos e Malcom McDowell britânico. Elenco, aliás, bastante afiado e afinado.

Dujardin e Bérénice já hipnotizam o espectador logo nas suas primeiras aparições. Ele com extrema expressividade, jeito espontâneo e vaidade, ela transmitindo delicadeza, charme e espírito de gratidão. Talentoso, o cachorrinho de Valentin chega literalmente a roubar alguns momentos.

Cinéfilos irão observar referências aos clássicos Cantando na Chuva e Crepúsculo dos Deuses, trechos inspirados em musicais da Metro e autoironias, como quando uma personagem diz que o cinema falado implode o modelo caras e bocas do cinema mudo.

Composta por Ludovic Bource, a inspirada trilha sonora ilustra a narrativa o tempo inteiro, passeando pelo jazz, melodias clássicas e até músicas de suspense, como a inserção de um fragmento musical extraído de Um Corpo que Cai, uma das obras-primas de Hitchcock.

Com viés de fábula, fluído e comovente, o longa lança um olhar perspicaz sobre o universo das estrelas cinematográficas e dos bastidores da indústria do entretenimento. No fundo, um filme afetuoso sobre a mitologia do cinema.                                                                                                                                  

(Edgar Olimpio de Souza, da revista Stravaganza, O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , www.revistastravaganza.com.br)

(Foto: divulgação)

Avaliação: ótimo.

O Artista
Título Original: The Artist (França/Bélgica, 2011).
Gênero: drama, 100 minutos
Direção: Michel Hazanavicius
Elenco: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, John Goodman e outros
Estreou: 10/2/2012
Veja o trailer do filme: http://www.youtube.com/watch?v=u1I5rm0vVR8

Comente este texto pelas redes sociais abaixo ou escreva para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Personalizar HTML 2

Este espaço é destinado a um pequeno chamado ou anuncio, a edição deste anuncio é encontrado no Gerenciamento de Módulo, pode ser colocado aqui um link para uma pagina Interna ou Externa.

Personalizar HTML 3

Este espaço é destinado a um pequeno chamado ou anuncio, a edição deste anuncio é encontrado no Gerenciamento de Módulo, pode ser colocado aqui um link para uma pagina Interna ou Externa.

Contato

Entre em contato com nossa redação. Sugira, comente, reclame. Envie temas que você considera úteis no dia a dia de um universitário. O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Style Setting

Fonts

Layouts

Direction

Template Widths

px  %

px  %